Aos 87 anos, o papa Francisco certamente tem muita energia, mas sua saúde também se debilitou em alguns momentos.

Abaixo, recordamos os problemas de saúde que o papa Francisco teve nos últimos anos.

Fevereiro de 2024: Acometido por um "caso leve de gripe".

No sábado (24), a Sala de Imprensa anunciou que o papa Francisco estava suspendendo as audiências programadas para aquela manhã "devido a uma leve gripe" como medida de precaução. O papa se reuniria com 14 diáconos da diocese de Roma que em breve serão ordenados sacerdotes.

No domingo (25), ele apareceu na sacada do Palácio Apostólico para rezar o Ângelus com os fiéis reunidos na Praça de São Pedro. Na segunda-feira (26) ele suspendeu suas atividades novamente pela segunda vez em três dias. A Sala de Imprensa da Santa Sé disse que a decisão foi tomada porque persistiam "sintomas leves semelhantes aos da gripe, sem febre".

No início da audiência geral de hoje (28) o papa Francisco disse: "Queridos irmãos e irmãs, ainda estou um pouco resfriado. Por isso, pedi ao monsenhor Ciampanelli para ler a catequese de hoje".

No final da cerimônia na Sala Paulo VI, o papa foi levado ao "Hospital Gemelli Isola Tiberina para alguns exames", como disse o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni.

Janeiro de 2024: "Estou com um pouco de bronquite e não consigo falar bem"

Durante uma audiência no Vaticano com os participantes do Simpósio "Universidades de Comunicadores Eclesiásticos", promovido pela Conferência Episcopal da França, o papa Francisco disse que estava com "um pouco de bronquite".

Por isso, o papa entregou o discurso preparado para a ocasião, em vez de lê-lo aos presentes, como costuma fazer. "Gostaria de ler o discurso inteiro, mas estou com um problema, estou com um pouco de bronquite e não consigo falar bem", disse Francisco.

Novembro de 2023: Cancela viagem a Dubai por causa de uma inflamação pulmonar

No sábado, 25 de novembro, o papa Francisco sofreu uma inflamação pulmonar por causa de uma “gripe leve” que o obrigou a cancelar parcialmente a sua agenda.

Depois de passar por uma TAC (tomografia axial computadorizada) no hospital Gemelli, em Roma, foi descartada pneumonia, mas foi evidenciada inflamação pulmonar que causou algumas dificuldades respiratórias.

Para um tratamento mais eficaz, a Santa Sé disse que lhe haviam sido administrados antibióticos intravenosos.

Na segunda-feira, 27 de novembro, Matteo Bruni informou que a condição do papa Francisco é “boa e estável” e que, para facilitar a sua recuperação, a Santa Sé adiou alguns compromissos planeados.

Por causa destes problemas respiratórios, a viagem que o papa tinha planeada para Dubai no dia 1º de dezembro foi cancelada por recomendação dos médicos.

Junho de 2023: Cirurgia da parede abdominal

Depois de concluir a Audiência Geral de quarta-feira, 7 de junho, o papa Francisco foi internado no Hospital Universitário A. Gemelli e, na mesma tarde, foi submetido a uma cirurgia na parede abdominal.

O procedimento cirúrgico durou três horas e foi concluído, segundo a Santa Sé, “sem complicações”.

O papa Francisco foi hospitalizado e operado por causa do risco de obstrução intestinal.

Mais em

Maio de 2023: Uma febre o obriga a cancelar sua agenda

Na sexta-feira, 26 de maio, o papa Francisco teve que cancelar as atividades de sua agenda devido à febre.

“Devido a um estado febril, o papa não teve audiências esta manhã”, foi a breve explicação dada pelo diretor de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni.

Março de 2023: Internado por bronquite

No final da Audiência Geral que celebrou na quarta-feira, 29 de março, na Praça de São Pedro, o papa Francisco foi transferido para o Hospital Gemelli de Roma devido a dificuldades respiratórias.

No relatório médico divulgado na quinta-feira, 30 de março, foi informado que o papa Francisco havia sido diagnosticado com “bronquite de base infecciosa que demandou a administração de uma terapia antibiótica”. Os antibióticos por via endovenosa “produziram os resultados esperados com uma clara melhora do estado de saúde”.

Fevereiro de 2023: forte resfriado

Em 23 de fevereiro, a Santa Sé informou que o papa Francisco estava com um “forte resfriado”.

Apesar de ter comparecido às audiências programadas, o seu estado impediu-o de ler em voz alta o seu discurso aos presentes no Vaticano.

Janeiro de 2023: Volta a diverticulite

Em uma entrevista publicada pela Associated Press em 25 de janeiro, o papa Francisco anunciou que sua diverticulite havia voltado.

“Posso morrer amanhã, mas vamos lá, está sob controle. Minha saúde está bem”, comentou.

Junho de 2022: Cancela viagem ao Sudão do Sul e à República Democrática do Congo

A Santa Sé cancelou esta viagem apostólica por causa dos problemas nos joelhos do papa Francisco, que mal lhe permitiam andar normalmente.

Depois de rezar o Ângelus dominical do dia 12 de junho, o papa disse: “Com grande pesar, devido a problemas na perna, tive que adiar a minha visita aos vossos países, prevista para os primeiros dias de julho”.

Pouco depois, no dia 27 de junho, compareceu a uma audiência com bispos brasileiros usando bengala e sem cadeira de rodas, e disse que já conseguia andar há três dias.

Maio de 2022: Infiltração no joelho

O papa Francisco passou por um procedimento médico no joelho em 3 de maio devido a uma ruptura nos ligamentos.

O fato foi relatado pelo próprio papa em entrevista publicada pela imprensa italiana: “Estou com um ligamento rompido, vão fazer uma intervenção com infiltrações e veremos”, disse.

Depois desta intervenção, foi no dia 5 de maio que o papa foi visto pela primeira vez aparecendo pessoalmente em público empurrado por uma cadeira de rodas desde a operação da diverticulite.

Abril de 2022: O médico o proíbe de andar

Durante a sua viagem apostólica a Malta, no início de abril, o papa usou pela primeira vez um elevador para descer do avião papal.

Um elevador especial também foi instalado na Basílica de São Paulo em Rabat para que Francisco pudesse visitar e rezar na gruta da cripta sem subir as escadas.

Durante a coletiva de imprensa no avião de volta a Roma, no dia 3 de abril, o papa Francisco falou sobre a sua condição física: “A minha saúde está um pouco instável, tenho esse problema no joelho que traz problemas para andar. Incomoda, mas está melhorando. Pelo menos consigo andar, até duas semanas atrás não conseguia fazer nada”, comentou em resposta a uma pergunta sobre como se sentiu durante a viagem.

Por causa desta dor, na cerimônia da Sexta-feira Santa no Vaticano, o papa não se prostrou diante do altar.

Ele também não conduziu a missa da Vigília Pascal em 16 de abril nem participou da procissão do círio pascal, mas sentou-se na frente da congregação em uma cadeira branca.

Em 26 de abril de 2022, suspendeu todas as atividades previstas em sua agenda por orientação médica.

A Sala de Imprensa da Santa Sé informou: "Devido a dores no joelho, e por recomendação médica, o papa Francisco interrompeu as atividades planejadas para hoje, incluindo a participação no Conselho de Cardeais, cuja nova sessão está em andamento nestes dias".

O papa também passou a permanecer sentado no papamóvel enquanto cumprimentava os peregrinos na praça de São Pedro. Em 30 de abril, ele disse que seu médico havia ordenado que ele não andasse.

Ao receber no Vaticano mais de 2,5 mil peregrinos da Eslováquia, Francisco disse que não poderia percorrer os corredores da Sala Paulo VI para se aproximar dos peregrinos presentes, mas que só poderia cumprimentar algumas pessoas da delegação permanecendo sentado porque o médico o proibiu de andar.

Janeiro de 2022: Começam os problemas no joelho direito

17 de janeiro de 2022 foi a primeira vez que o papa Francisco se referiu à dor no joelho.

Ocorreu durante uma audiência com a delegação da Custódia da Terra Santa, a quem pediu desculpas por ficar sentado: “Desculpe-me se fico sentado, mas estou com dor na perna hoje... Dói, dói se estou de pé", disse o papa Francisco.

Ele disse em uma audiência geral na semana seguinte que não poderia cumprimentar os peregrinos como de costume por causa de um problema temporário com um ligamento do joelho direito inflamado.

No final de fevereiro, o papa Francisco cancelou dois eventos públicos devido a dores no joelho e ordens médicas de repouso.

Em março de 2022, recebeu ajuda para subir e descer escadas, mas continuou a andar e ficar em pé sem ajuda.

Julho de 2021: Cirurgia para diverticulite

Em 4 de julho de 2021, o papa Francisco foi submetido a uma cirurgia de “estenose diverticular” no Hospital Gemelli, em Roma.

Essa intervenção sob anestesia geral durou três horas e consistiu em uma hemicolectomia esquerda, ou seja, na retirada de uma parte do cólon.

Na operação, foram retirados 33 centímetros de intestino grosso devido à inflamação causada pelo estreitamento do cólon.

Embora o papa tenha reagido bem à operação, em ocasiões recentes disse ter sofrido alguns efeitos colaterais por causa da anestesia geral recebida.

Dor ciática desde 2013

Durante sua primeira entrevista aos jornalistas ao voltar de sua visita ao Brasil por ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ Rio de Janeiro, 2013), o papa Francisco disse que “a pior coisa que me aconteceu desde que me tornei papa foi a ciática”.

No verão de 2017, aproveitou os dias de folga para aliviar este problema de saúde, embora só no final de 2020 esta doença o tenha impedido de cumprir a sua agenda: não conduziu as celebrações do 31 de dezembro e do início do novo ano de 2021 por causa daquela “ciática dolorosa”, segundo a Santa Sé.