É “hipocrisia” ficar escandalizado com as bênçãos aos homossexuais e não quando outros pecadores são abençoados, como “um empresário que explora as pessoas”, disse o papa Francisco em entrevista ao jornal italiano Credere, da editora Paulinas, divulgada hoje (7). A fala sobre a declaração Fiducia supplicans que autoriza bênçãos a uniões homossexuais é parte de uma entrevista que será publicada na íntegra amanhã (8).

Respondendo ao jornalista Vincenzo Vitale sobre a polêmica que surgiu depois da publicação do documento Fiducia supplicans, o papa disse que “ninguém se escandaliza se dou a minha bênção a um empresário que talvez explore as pessoas: e isto é um pecado muito grave".

"Enquanto ficam escandalizados se eu a der a um homossexual.... Isso é hipocrisia! O coração do documento é a acolhida", disse o papa Francisco, referindo-se ao texto publicado em 18 de dezembro de 2023 pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, que permite que os padres abençoem uniões irregulares e do mesmo sexo.

No dia 29 de janeiro o papa também se referiu a este documento numa entrevista ao jornal italiano La Stampa, na qual disse que os críticos deste documento são “pequenos grupos ideológicos”.

Na entrevista ao La Stampa também disse que “todos somos pecadores: então por que fazer uma lista de pecadores que podem entrar na igreja e uma lista de pecadores que não podem estar na igreja? Isto não é o Evangelho”, disse ele.

Sobre a divisão entre bispos e padres em todo o mundo depois da publicação do documento, o papa Francisco disse que “aqueles que protestam veementemente pertencem a pequenos grupos ideológicos”.

Ao responder sobre se teme um cisma, disse que “não, na Igreja sempre houve pequenos grupos que expressaram reflexões cismáticas... devemos deixá-los existir e passar... e olhar para frente”.