Prevenção da AIDS deve respeitar a dignidade do homem

Redação Central, (ACI).- Em seu discurso na XXVI Sessão Especial da Assembléia geral da ONU, Mons. Javier Lozano Barragán, Presidente do Pontifício Conselho para a Pastoral da Saúde, manifestou que a prevenção da AIDS deve se realizar respeitando a dignidade do homem e seu destino transcendente.

Em seu discurso Mons. Lozano Barragán explicou que diante do mal da AIDS "são exigidas duas as ações: preveni-la e curá-la. As duas são de suma importância, mas vale mais a pena prevenir que remediar" e acrescentou que "enquanto a AIDS transmitida sexualmente a prevenção mais profunda e por sua vez mais eficaz é a formação nos autênticos valores da vida, o amor e o sexo".

O Prelado explicou que está comprovado que as liberdades sexuais aumentam o perigo de contágio pelo que se faz necessário que "se entendam os valores da fidelidade matrimonial e da castidade. Assim, a prevenção e a informação quenecessárias, são realizadas respeitando a dignidade do homem e seu destino transcendente, excluindo campanhas que impliquem modelos de comportamento que destruam a vida e favoreçam a extensão do mal".

Mons. Lozano Barragán também se referiu às condições de miséria que condicionam o contágio desta doença, de modo que "para combater aquela será decisiva uma maior justiça social internacional, que substitui a economia como horizonte exclusivo de uma globalização selvagem".

O Prelado recordou que o Papa exorta aos diversos Governos e à comunidade científica a continuar a pesquisa sobre a doença e expressou sua preocupação porque em muitos países é impossível o tratamento de pacientes com AIDS devido aos altos custos dos medicamentos patenteados.

Também referiu-se a trabalhar por uma maior efetividade na luta contra a AIDS e destacou que a Santa Sede sugere:

  • Dedicar pressupostos suficientes para combater este flagelo;

  • Incrementar a educação escolar e extra escolar dos valores da vida, do amor e do sexo, assim como insistir na igualdade do homem e da mulher;

  • Eliminar toda forma de discriminação dos doentes de AIDS;

  • Apoiá-los espiritualmente ;

  • Recomenda multiplicar os centros para sua devida atenção

  • Informar e educar adequadamente sobre a AIDS

O Prelado conclui que deve-se "pedir aos países industrializados que, evitando toda forma de colonialismo, ajudem nesta campanha aos países que o necessitam; erradicar a exploração sexual especialmente a ligada ao turismo ou às migrações; baratear ao máximo os medicamentos anti-retrovirais para a AIDS".

Resposta católica

Depois de recordar que até a data 36,1 milhões de pessoas foram cominadas com o HIV/aids, Mons. Lozano apontou que até a data morreram 21.8 milhões de pessoas por causa da epidemia, das quais, 15 milhões são africanos; enquanto que 13.2 milhões são órfãos.

Frente a este trágico panorama, recordou que "o Papa em diferentes ocasiões, afirmou que o doente de AIDS deve ser objeto de toda assistência e de todo respeito", ainda mais, "deve ser tratado como o próprio Cristo".

Em resposta ao chamado do Papa, 12% dos que se ocupam dos doentes de AIDS no mundo são organismos eclesiais católicos e13% são organizações não governamentais católicas. Deste modo, Mons. Lozano concluiu que a Igreja católica atende a 25% dos doentes de AIDS, acreditando-se "como o maior sustento dos Estados na luta contra a AIDS".

RECOMENDAMOS »

Ago
21

Católico em dia

21 de agosto de 2017

  • Você sabia que: O termo "Paráclito" é utilizado para descrever ao Espírito Santo e provém do grego "Paraklétos" que significa, ao mesmo tempo, "advogado" e "consolador".

Podcast

Evangelho do dia

Lucas 24, 1-12

Evangelho
Data
03/30/14
03/29/14
03/28/14

Homilia do dia

Lucas 18,9-14

Homilia
Data
03/29/14
03/28/14
03/27/14

Mais Popular

  Assinar 
Cancelar Assinatura
  

Siga-nos: