Não se pode aceitar Vaticano II e recusar reforma litúrgica nascida dele, diz o papa

O papa Francisco celebra missa / Daniel Ibáñez (ACI)