,'script','dataLayer','GTM-T294ZT8'); , afetando os ossos parietais, temporal e occipitais.

As ferida são profundas, afetando a toda a galea capitis (couro cabeludo) e chegando até a face externa dos ossos mencionados. Os pavilhões auriculares acham-se igualmente perfurados pela ação de instrumentos agudos (pontas agudas). Por causa das profusas hemorragias provocadas pelas múltiplas feridas, é de mencionar que quase todo o cabelo se encontra, em toda a sua longitude, empapado em sangue úmido ou com crostas originadas ao secar-se. Todas as lesões sofridas são compatíveis com as que produziria uma coroa de espinhos como a que se descreve que levou o finado.

No tronco, tanto em sua parte anterior (peito) como na posterior (costas) apreciam-se múltiplas lesões, onde predominam as contusões em forma de equimoses, equimomas e hematomas (cardeais), algumas delas de caráter longitudinal em forma figurada que reproduzem os objetos que as produziram, muito provavelmente por um ou vários flagrum (espécie de chicote de correias ou tiras). Pela violência dos golpes e/ou pela reiteração dos mesmos em certas zonas, produziram-se soluções de continuidade, aparecendo feridas contusas longitudinais, erosões (arranhões superficiais) e escoriações (arranhões profundos, onde aparece sangue).

Em alguns pontos do corpo as feridas contusas são especialmente profundas, produzindo um grande rasgo muscular e também hemorragias profusas. Todas estas lesões preponderam, sobretudo, na parte posterior do tronco. Finalmente, na zona costal direita, anterolateralmente, destaca-se uma ferida incisa profunda, com evidentes sinais de ter produzido uma abundante hemorragia.

Em ambas as extremidades superiores, quase à altura das mãos, na zona carpiana, apreciam-se uma ferida aguda transfixante (que atravessa), com bordas contusas e sinais de rasgo por ter suportado grande peso, provavelmente o do corpo. Nas mãos, na palma e na eminência tenar, apreciam-se erosões e escoriações, compatíveis com as produzidas ao apoiar-se no chão depois de uma queda. Nas extremidades inferiores aprecia-se, em ambos os pés, uma ferida aguda transfixante de bordas contusas. Os joelhos aparecem com erosões e escoriações, provavelmente por ter caído e batido com eles no chão.

No exame interno (podemos deduzir) apreciar-se-iam sinais próprios de uma hipoxia-anoxia, hemorragia maciça, choque hipovolêmico, com palidez de mucosas e de órgãos internos como os pulmões, o fígado e os rins. Além disso, se encontraria uma quantidade muito limitada de sangue nas cavidades cardíacas e nos grandes copos arterovenosos. Existiriam sinais de asfixia no cérebro e nos pulmões, tudo isso compatível com uma agonia prolongada.

É necessário agora realizar uma série de raciocínios (chamados considerações médico-legais) antes de concluir com as circunstâncias da morte.

Começamos constatando que não foram descritas lesões mortais, ou seja, aquelas que por afetar um órgão ou função vital, são causa imediata e fundamental de morte. Tudo isso nos leva a considerar a morte de Jesus de Nazaré como o resultado de um longo processo agônico.

Das nove da noite da quinta-feira 12 (ao acabar a Última Ceia e ser detido) até as três da tarde da sexta-feira 13 em que morreu, transcorrem um total de 18 horas. Desde o momento de sua detenção, parece que não ingeriu nenhum tipo de alimento ou líquido. Os castigos (exceto a paulada propiciada por um criado de Caifás pouco depois de sua detenção) começaram por volta das sete da manhã de sexta-feira, por isso, até o momento da morte transcorrem umas oito horas. As outras lesões procedem da flagelação, e são múltiplas chicotadas no peito e nas costas. Estas lesões provocam hemorragias que em princípio não têm por que ser muito profusas por não serem profundas e, portanto, não afetarem grandes artérias e veias.

Entretanto, por ser em uma extensão muito ampla do corpo (peito e costas) a perda sangüínea vai-se acumulando e pode ser significativa, podendo produzir (ao longo das mais de oito horas de castigo) a perda de um ou dois litros de sangue e plasma (sinceramente não acreditamos que se pudesse perder mais, já que essas lesões em vasos de diâmetro pequeno e médio tendem a fechar-se por si mesmas).

Uma hemorragia produz uma perda do volume de sangue (que se denomina volemia), por isso a perda de sangue se chama hipovolemia. Uma grande hipovolemia origina uma crise ou choque no funcionamento do organismo, que neste caso se chama choque hipovolêmico.

Paralelamente, tendo em conta a grande quantidade de golpes que impactam nos mesmos lugares, produzem-se uma série de graves lesões similares às de um esmagamento ou pisoteamento, o que se conhece em medicina como síndrome de esmagamento (crush syndrome) e que implica na liberação de substâncias no interior do sangue, entre elas mioglobina procedente dos músculos, que provoca alterações nos processos renais de filtração.

Tão maciça quantidade de golpes no tórax é também causa de uma grande dor, enorme e inqualificável sofrimento. Entre os mecanismos de defesa que de modo automático ou inconsciente utiliza o organismo está o de reduzir a mobilidade ao mínimo (quando, por exemplo, se uma pessoa se machuca em um dedo, o primeiro que faz imediatamente depois é agarrá-lo com a outra mão e não movê-lo); a redução da mobilidade no tórax se traduz em respirações superficiais que originam uma hipoxia (falta de oxigenação do sangue por não respirar adequadamente), que se associa a uma hipercapnia (excesso de dióxido de carbono pelo mesmo motivo) e a uma série de alterações do equilíbrio ácido-base.

A isto deve-se acrescentar que, pela postura existente na cruz −onde o corpo fica literalmente pendurado nas extremidades superiores através de uma tensão que se transmite ao tórax e aos seus músculos−, que são dificultada suas funções, entre elas a de facilitar os movimentos respiratórios.

As graves lesões traumáticas no tórax bem puderam produzir uma irritação das membranas que rodeiam os pulmões (pleuras), ocasionando uma pleurite com um acúmulo de líquido chamado exsudado no espaço interpleural. Isto pode explicar perfeitamente por que saiu “sangue e água” quando foi cravado no lado direito de seu flanco: sangue das lesões próprias das artérias e veias da zona, e “água” que seria o exsudado acumulado entre as pleuras (interpleural).

As lesões produzidas pelos pregos em ambas as mãos (zona carpiana) e nos pés não devem estar em princípio relacionadas com a causa da morte, já que não afetam órgãos vitais e uma possível infecção grave não se desenvolve em tão curto prazo de tempo. A única possível influência –não descrita nas Sagradas Escrituras– é a produção de uma grande hemorragia porque se afetaram artérias ou veias de grande calibre, o que poderia redundar no possível choque hipovolêmico mencionado.

As lesões produzidas pela coroa de espinhos na cabeça não estão provavelmente relacionadas com a causa da morte (não afetam órgãos vitais ao não penetrar no cérebro nem produzem grande hemorragia).

Uma nota final para destacar que a posição na cruz (ortostática, de pé) torna difícil a chegada de oxigênio ao cérebro, já que o sangue tende a acumular-se nas partes inferiores do organismo (por efeito da gravidade), sobretudo quando o coração funciona fracamente, por isso a oxigenação do órgão que mais o necessita (o cérebro ou sistema nervoso central) é deficiente.

Conhecendo a lenta agonia e a manutenção da consciência quase até o último instante, baseado em todas as considerações anteriormente expostas, obtemos as seguintes conclusões médico-legais como as mais prováveis:

Causa imediata da morte: hipoxia-anoxia (hipoxia é diminuição da concentração de oxigênio no sangue, e anoxia é a ausência total de oxigênio na mesma) cerebral conseqüência de hipovolemia (diminuição do volume de sangue) pós-hemorrágica, gerada pela insuficiência respiratória mecânica (incapacidade para respirar adequadamente por falta de mobilidade) por graves lesões em músculos intercostais, e por insuficiência cardíaca.

Causa fundamental da morte: múltiplas feridas inciso-contusas, equimose, erosões, escoriações e hematomas na parte anterior e posterior do tronco.

Origem da morte: criminosa.»

O doutor José Antonio Lorente Acosta é especialista em Medicina Legal e Forense e professor titular de Medicina Legal da Universidade de Granada.