O velejador francês Tanguy Le Turquais prepara-se para dar a volta ao mundo sozinho, sem escalas e sem assistência, na competição Vendée Globe 2024 levando em sua vela o nome da associação católica Lázaro, de ajuda pessoas desabrigadas.

No Projeto Lázaro de inclusão social, jovens profissionais de 25 a 35 anos dividem a casa com pessoas que viviam em situação de rua. O objetivo, além de oferecer um teto, é tecer relações pessoais em um lar.

A iniciativa surgiu em Paris, em 2006, quando três jovens decidiram dividir sua casa com moradores de rua. Hoje o projeto também está presente na Bélgica, Reino Unido, Suíça, Espanha e México, e 250 pessoas participam dele.

Por causa do compromisso do velejador francês, aconteceu em Barcelona uma regata solidária em benefício da Fundação Lázaro.

Segundo o site de Le Turquais, ele "quer compartilhar sua paixão e a inclusão é um assunto próximo ao seu coração". Por isso decidiu unir os lares do Projeto Lázaro ao seu projeto.

“Os olhos do mundo estarão fixos nos padrões do Vendée Globe, enquanto milhares de pessoas nas ruas são invisíveis. Meu sonho é dar a volta ao mundo navegando com os moradores dos Lares Lázaro e dar visibilidade a eles”, diz o navegador francês em um de seus vídeos.

Antes da competição, alguns dos residentes dos Lares Lázaro em Madri e Barcelona tiveram a oportunidade de subir a bordo da vela com a qual Le Turquais tentará completar o chamado 'Everest dos mares'.

A Vendée Globe acontece a cada quatro anos e tem sua origem e porto de chegada em Les Sables-d'Olonne, na região de Vendée, onde os partidários da Revolução Francesa cometeram seu maior genocídio antirreligioso.

A competição acontece desde 1989, e quem conseguiu completar o desafio levou entre 78 e 163 dias.

A esposa de Tanguy Le Turquais, Clarisse Cremer, já tinha os Lares Lázaro presentes quando disputou esta mesma prova em 2020. Durante a travessia, ela prometeu contar todos os dias a história de uma das pessoas beneficiadas com o projeto.

Confira também: