Sobrevivente do ataque a Paris: Com uma arma na cabeça me perguntaram se acreditava em Deus