Farmacêuticos católicos não vendem preservativos