Este futuro beato foi obrigado a cavar a própria cova, foi fuzilado e morreu perdoando seus assassinos

Pe. Ramón Cervilla Luis, mártir. Crédito: Arquidiocese de Granada (Espanha).