Na reflexão de hoje (27) antes da oração do Ângelus, o papa Francisco disse aos fiéis que “Cristo não é uma lembrança do passado, mas o Deus do presente”.

Diante de milhares de fiéis presentes na Praça de São Pedro, o papa lembrou a passagem do Evangelho de Mateus em que Cristo pergunta aos discípulos quem dizem que Ele é, e a resposta é insuficiente, pois não é “apenas um personagem do passado” como os grandes profetas.

“Por isso, logo em seguida, o Senhor faz aos discípulos a pergunta decisiva: ‘Mas vós, quem dizeis que eu sou?’. Quem sou eu para vós agora? Jesus não quer ser protagonista da história, mas protagonista do seu presente, do meu presente; não um profeta distante, mas o Deus próximo”, disse o papa Francisco.

“Cristo não é uma lembrança do passado, mas o Deus do presente. Se fosse apenas um personagem histórico, imitá-lo hoje seria impossível: nós nos encontraríamos diante da grande vala do tempo e, sobretudo, diante de seu modelo, que é como uma montanha altíssima e inalcançável, querendo escalá-la, mas sem a capacidade e os meios necessários”, continuou.

Em vez disso, disse o papa, “Jesus está vivo e nos acompanha, está ao nosso lado, oferece-nos a sua Palavra e a sua graça, que nos iluminam e restauram no caminho: Ele, guia experiente e sábio, tem a satisfação em nos acompanhar nos caminhos mais difíceis e nas subidas mais inacessíveis”.

Francisco também destacou que “na estrada da vida não estamos sozinhos, porque Cristo está conosco e nos ajuda em nosso caminho, como fez com Pedro e os outros discípulos” e Jesus “não um herói morto, mas o Filho do Deus vivo, feito homem e que veio compartilhar as alegrias e as fadigas do nosso caminho”.

Após encorajar a não desanimar diante dos desafios, o papa exortou: “Olhemos para Jesus, que caminha ao nosso lado, que acolhe nossas fragilidades, compartilha nossos esforços e apoia seu braço firme e gentil em nossos ombros fracos. Com Ele por perto, também nós estendamos a mão uns aos outros e renovemos nossa confiança: com Jesus, o que sozinhos parece impossível não o é mais”.

O papa encorajou então a se perguntar quem é Jesus para cada um. “Quem é Jesus para mim? Um grande personagem, um ponto de referência, um modelo inatingível? Ou o Filho Deus, que caminha ao meu lado, que pode me levar ao topo da santidade, onde não posso chegar sozinho?”.

“Jesus está realmente vivo em minha vida, Ele é meu Senhor? Eu me confio a Ele em momentos de dificuldade? Cultivo sua presença por meio da Palavra e dos Sacramentos? Deixo-me guiar por Ele, junto com meus irmãos e irmãs, na comunidade?”, questionou Francisco.

“Maria, Mãe do caminho, ajude-nos a sentir seu Filho vivo e presente ao nosso lado”, concluiu.

Confira também: