O papa Francisco se dirigiu às crianças do mundo por ocasião da Primeira Jornada Mundial das Crianças, que será celebrada em Roma de 25 a 26 de maio, para lhes lembrar que a chave da felicidade é a oração e uma relação pessoal com Cristo.

“Para sermos verdadeiramente felizes, é preciso rezar, rezar muito, todos os dias, porque a oração liga-nos diretamente a Deus, enche-nos o coração de luz e calor e ajuda-nos a fazer tudo com confiança e serenidade”, escreveu em sua carta do sábado (2) dirigida às crianças do mundo.

O papa continuou esta reflexão pedindo às crianças que rezem o Pai Nosso “todas as manhãs e todas as noites; e fazei-o também em família, com os vossos pais, irmãos, irmãs e avós”. Mas, exortou as crianças a não simplesmente recitarem as palavras “como uma fórmula”, mas “pensando nas palavras que Jesus nos ensinou”.

“Jesus chama-nos e quer-nos protagonistas, com Ele, desta Jornada Mundial, construtores de um mundo novo, mais humano, justo e pacífico. Ele, que Se ofereceu na Cruz para nos reunir a todos no amor, Ele que venceu a morte e nos reconciliou com o Pai, quer continuar por nosso intermédio a sua obra na Igreja”, continuou.

O papa Francisco anunciou a criação da Jornada Mundial da Criança no mês de dezembro passado, como forma de responder à preocupação de “que mundo queremos transmitir às crianças que estão crescendo?”.

Na sua carta, o papa disse que o tema da Jornada Mundial da Criança deriva das palavras de Jesus no livro do Apocalipse: “Eu renovo todas as coisas”. Segundo o papa, estas palavras “convidam a tornar-nos ágeis como crianças no acolhimento das novidades suscitadas em nós e ao nosso redor pelo Espírito”.

Refletindo sobre a importância das crianças para as famílias, o papa disse que elas são um sinal “do desejo que há em cada um de nós de crescer e de se renovar” e uma fonte de alegria, um reconhecimento que ajuda a promover um vínculo intergeracional.

A mensagem do papa também abordou a necessidade de ação social, pedindo aos jovens que se lembrem sempre “de outras crianças e jovens que já lutam contra doenças”, pobreza, fome, guerra e violência. Destaca que essas pessoas nos lembram da realidade e nos inspiram a buscar o bem, apesar do sofrimento que vivem.

Finalmente, o papa convidou as crianças para que a ação comece a nível local, através de pequenos atos de bondade.

“O mundo se transforma, sobretudo, através de pequenas coisas, sem ter vergonha de dar apenas pequenos passos”, acrescentou.