A revista americana Forbes incluiu a freira francesa Nathalie Becquart, de 54 anos, em sua lista anual das pessoas mais influentes do mundo em diferentes campos, como ciência, economia, direitos humanos, moda e Igreja Católica. Becquart foi nomeada pelo papa Francisco subsecretária da Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos em 6 de fevereiro de 2021, tornando-se a primeira mulher com direito a voto em um sínodo e uma das figuras femininas mais influentes da Santa Sé.

A irmã Becquart, membro da Congregação Xaveriana desde 1995, aparece na edição de 2024 na lista das "50 mulheres com mais de 50 anos". Ela é considerada "a mulher de mais alto escalão no Vaticano".

A revista americana especializada no mundo dos negócios e das finanças destaca a formação acadêmica da freira, que tem mestrado em empreendedorismo pela escola de negócios HEC em Paris e também foi consultora de marketing.

Em 2008, ela foi nomeada vice-diretora da pastoral estudantil pela Conferência Episcopal Francesa e, em 2012, assumiu a direção do serviço nacional para a evangelização dos jovens e das vocações.

Esse cargo a levou a se envolver nos preparativos para o Sínodo dos Bispos sobre a Juventude, que aconteceu no Vaticano em 2018, tornando-se auditora da assembleia.

Em dezembro de 2022, antes do Sínodo da Sinodalidade no Vaticano, no qual ela tinha o direito a voto, Becquart disse que a ordenação de mulheres como sacerdotes católicos "não é uma questão em aberto" no momento.

Em um artigo publicado em 13 de dezembro na BBC, a freira francesa disse que há “muitas maneiras das mulheres servirem à Igreja”, mas a ordenação não é uma opção.

A irmã Nathalie Becquart também foi incluída na lista da BBC das 100 mulheres mais inspiradoras e influentes do mundo.

Papa Francisco aumenta o número de mulheres trabalhando na Santa Sé

Em nenhum outro momento, tantas mulheres trabalharam na santa Sé como durante o pontificado do papa Francisco. Nos últimos dez anos, mais de 300 mulheres foram contratadas na Cidade do Vaticano e na Santa Sé.

Um estudo publicado por Vatican News, serviço de informação da Santa Sé, em março de 2023 indicou que 1.165 mulheres trabalham atualmente no Vaticano. Segundo o estudo, a porcentagem de mulheres aumentou nos últimos dez anos de quase 19,2% para os atuais 23,4%.

Além disso, por ordem do papa, mais mulheres foram recrutadas para cargos de maior responsabilidade. Entre essas nomeações estão sete mulheres eleitas superioras do Dicastério para os Religiosos e seis leigas para o Conselho para a Economia.

Em 2022, Francisco também nomeou duas religiosas e uma leiga membros do Dicastério para os Bispos, incluindo a irmã Nathalie Becquart.