Com seu nono consistório em dez anos de pontificado, o papa Francisco concluirá sua influência no colégio dos cardeais para o próximo conclave, considerando que a esmagadora maioria dos cardeais terá sido criada por ele.
Em 2 de junho, havia 121 cardeais com possibilidade de entrar no conclave. Nove foram criados por são João Paulo II, 31 por Bento XVI e 81 por Francisco. Com os 18 novos cardeais eleitores, 99 cardeais criados pelo papa Francisco podem entrar no conclave para escolher o próximo papa.
Até o final do ano, outros sete cardeais irão completar 80 anos e perderão a possibilidade de ingressar no conclave: Giuseppe Versaldi, Angelo Comastri, Patrick D'Rozario, Leonardo Sandri, Andrew Yeom Soo-Jung, Jean Zerbo e Juan Luis Cipriani Thorne. Destes, apenas Andrew Yeom Soo-Jung e Jean Zerbo foram criados pelo papa Francisco.
Outros 12 cardeais irão completar 80 anos em 2024. 
O consistório será realizado em 30 de setembro. Até 1º de outubro haverá 136 cardeais eleitores e 107 não-eleitores para 243 cardeais. Com este consistório, o papa Francisco “blindou” o colégio dos cardeais durante vários anos com cardeais nomeados por ele.
Como foi o caso dos consistórios anteriores, as típicas sedes cardeais estão ausentes das nomeações.
Por exemplo, falta o novo arcebispo de Bruxelas-Malines, dom Luc Terlinden, embora haja o novo arcebispo de Madri, dom Cabo Cano. Não há dioceses cruciais, como Milão e Paris, o que se alinha com a tendência do papa de não escolher dioceses com a tradição de cardeais, especialmente na Europa. Mas o arcebispo Carlos Castillo Mattasoglio, que lidera a arquidiocese de Lima, no Peru desde 2019, também não está na lista de novos cardeais.
Se há um tema central para esses novos cardeais é a formação dos sacerdotes e a nova evangelização. Menos guardiões da fé e mais pastores parece ser o fio condutor da escolha do papa Francisco.
Características principais
O que procurar em uma lista de novos cardeais? Em primeiro lugar, a ordem de proclamação. Assim como no consistório do papa Francisco em 2014, o prefeito do dicastério para a Doutrina da Fé é o terceiro da lista. Naquela época, ele era precedido pelo secretário de Estado do Vaticano, primeiro da lista, e pelo secretário geral do sínodo.
Desta vez, ele é precedido na lista pelo arcebispo Robert Francis Prevost, prefeito do dicastério para os Bispos, e pelo arcebispo Claudio Gugerotti, prefeito do dicastério para as Igrejas Orientais. São sinais essenciais: Após a nomeação do novo reitor do Seminário Maior Romano com particular enfoque na formação do clero, o papa Francisco dá uma importância crucial à escolha dos novos bispos. É um sinal de como ele quer acelerar sua reforma para mudar a mentalidade do colégio cardinalício, colocando a atenção no tipo de pastor que ele gosta e não nas nomeações institucionais.
A criação de Gugerotti como cardeal foi uma conclusão precipitada devido à sua posição na cúria. No entanto, também assume um significado simbólico. Gugerotti foi núncio na Ucrânia e em Belarus, onde também atuou como enviado do papa na situação problemática que levou ao exílio de fato do então arcebispo de Minsk, Tadeusz Kondrusiewicz, em 2021. E, acima de tudo, conhece o mundo russo. bem. Ele é uma ponte crucial, em uma situação difícil.
O quarto e o quinto da lista são dois núncios apostólicos: o arcebispo Emil Paul Tscherrig, núncio na Itália, e o arcebispo Christophe Pierre, núncio nos EUA. Ambos têm mais de 75 anos, mas isso não significa que a aposentadoria seja automática porque um núncio fica o tempo que o papa quiser. Com essas escolhas, o papa parece dar atenção ao mundo diplomático, mas também é notável o papel que esses homens provavelmente terão na escolha de novos bispos para seus países. Afinal, os episcopados nos EUA e na Itália foram profundamente remodelados pelas nomeações do papa Francisco e seus núncios, que são os primeiros com direito a selecionar e propor candidatos.
Como sempre, o papa Francisco também inclui compromissos inesperados. Entre os novos cardeais está o patriarca latino de Jerusalém, Pierbattista Pizzaballa. Há também o arcebispo de Bogotá, Luis José Rueda Patricio, o novo arcebispo de Madri, José Cobo Cano, e o bispo de Hong Kong, Stephen Chow Sau-Yan. Embora Hong Kong, com raras exceções, sempre tenha tido um cardeal no comando, a nomeação de Chow como cardeal parece indicar a disposição da Santa Sé de continuar o diálogo com a China. 
Chow visitou a arquidiocese de Pequim em abril a convite do arcebispo Li Shan, um fato significativo que sinaliza um diálogo permanente. Chow convidou o arcebispo Li Shan a retribuir a visita, levando assim adiante este caminho de “união” dentro do episcopado chinês.
Representatividade
Depois, porém, o papa Francisco também usa o critério da representatividade: da África do Sul, traz como cardeal o arcebispo da Cidade do Cabo, Stephen Brislin, e da Malásia, o bispo de Penang, Sebastian Francis.
O arcebispo Protase Rugambwa traz um segundo representante da Tanzânia ao colégio dos cardeais, após o arcebispo de Dar Es Salaam, Polycarp Pengo, também criado pelo papa Francisco. Desde abril, o ex-secretário da congregação para a Evangelização dos Povos foi nomeado arcebispo coadjutor de Tabora. O arcebispo Paul Runaganza Kizoka atualmente dirige a arquidiocese de Tabora, e Rugambwa já o havia sucedido em 2008, quando assumiu o cargo de bispo de Kigoma.
Vamos aos números:
  • A partir do consistório de 30 de setembro, o número de cardeais europeus aumenta de 105 para 115 cardeais.
  • A América do Norte vai de 26 para 27.
  • A América do Sul vai de 24 para 29.
  • A Ásia passa de 30 para 32.
  • A África aumenta de 24 para 27 cardeais.

Mais em

A Itália continuará a ser a nação mais representada, com 52 cardeais, dos quais apenas 17 são eleitores; A Espanha terá 15, dos quais nove têm menos de 80 anos; França oito, incluindo seis eleitores; Portugal seis, incluindo quatro eleitores; Polônia cinco, incluindo quatro eleitores; Suíça dois, ambos eleitores; os Estados Unidos 17, incluindo 11 eleitores; Argentina sete, dos quais quatro são eleitores; Colômbia quatro, incluindo um eleitor; Venezuela dois, incluindo um eleitor; China três, incluindo um eleitor; Malásia um, um eleitor; Tanzânia dois, ambos eleitores, e África do Sul dois, incluindo um eleitor; Sudão do Sul, um eleitor.
Os cardeais de “remediação”
A nomeação um tanto inesperada do arcebispo de Córdoba, Ángel Sixto Rossi, como cardeal também confere dignidade a uma diocese na qual o papa passou o período que se seguiu a seu mandato como provincial dos jesuítas na década de 1980, um exílio, segundo vários biógrafos. E talvez esta seja a nomeação do cardeal que busca oferecer alguma reparação com o passado, como já houve em todos os consistórios do papa Francisco.
Como o ex-núncio na Bélgica, Karl-Josef Rauber, que foi quem não quis que André-Joseph Leonard fosse nomeado arcebispo de Bruxelas (e, de fato, o papa Francisco não o criou cardeal, mas deu o barrete ao seu sucessor , Jozef de Kesel), ou o gorro vermelho mostrado ao arcebispo Michael Fitzgerald, que Bento XVI havia enviado como núncio no Egito quando sua promoção a chefe de um dicastério parecia natural porque o papa não compartilhava sua visão de diálogo com outras religiões. Ou, ainda, Enrico Feroci foi criado como cardeal, a quem o cardeal Camillo Ruini nunca quis promover como bispo.
Formação sacerdotal, nova evangelização 
A nomeação do bispo de Ajaccio, na França,  François-Xavier Bustillo, não é surpreendente. O papa Francisco doou seu livro “Testemunhas, não oficiais: o padre na mudança de época” no final da missa de crisma na Quinta-feira Santa de 2022.
Em vez disso, ao nomear o arcebispo de Juba, Stephen Ameyu Martin Mulla, o papa Francisco confirma seu desejo de dar a dignidade de cardeal a bispos que se encontram em zonas de guerra difíceis.
Da Europa Oriental chega finalmente um cardeal polonês, o primeiro do pontificado de Francisco: Grzegorz Ryś, arcebispo de Łódź. Foi auxiliar em Cracóvia, onde geralmente é considerado progressista, mas sobretudo é um destacado pregador com particular interesse pelos temas da nova evangelização e do ecumenismo. Ele está alinhado com os temas do pontificado do papa Francisco. Rumores dizem que ele está perto de se tornar arcebispo de Cracóvia quando o arcebispo Marek Jędraszewski se aposentar em dois anos.
O barrete vermelho ao bispo auxiliar de Lisboa, Américo Manuel Alves Aguiar, é não só um reconhecimento pela próxima Jornada Mundial da Juventude em Lisboa, da qual é o organizador, mas também um sinal de orientação que o papa quer dar ao clero de Portugal e o apreço pelas iniciativas de Aguiar, com quem convive bem. Entre outras coisas, Aguiar está organizando um evento surpresa entre jovens russos e ucranianos que o papa não pode deixar de apreciar depois dos sinais que deu na via sacra do Coliseu em 2022, quando duas mulheres, uma russa e uma ucraniana, carregaram a cruz, e novamente em 2023, quando o texto de uma das emissoras trazia depoimentos de pessoas dos dois países.
Ele toca de novo nessa questão ao dar o barrete vermelho ao padre Ángel Fernández Artime, reitor-mor dos Salesianos. Este parece ser um sinal de que ele quer enfatizar o carisma salesiano de formação e catequese aos jovens.
Cardeais que não podem votar
Finalmente, há os cardeais não-eleitores. O papa Francisco dá o chapéu vermelho ao arcebispo Agostino Marchetto, núncio apostólico, que se destacou pelo trabalho histórico detalhado sobre o concílio Vaticano II. Marchetto apoia a hermenêutica da continuidade ao interpretar o que ele chama de “o Grande Conselho”. O papa Francisco o definiu em 2013 como o “melhor intérprete” do concílio. Dar-lhe o gorro vermelho significa também querer sublinhar indiretamente que toda a obra do papa quer estar em continuidade com o concílio. Mas também pode ser uma resposta a quem vê uma ruptura fundamental nas escolhas do papa Francisco.
O papa então escolhe Diego Rafael Padron Sanchez, arcebispo emérito de Cumaná, na Venezuela, que se aposentou em 2018. Mas, acima de tudo, faz um cardeal confessor: padre Luis Pascual Dri, confessor no santuário de Nossa Senhora de Pompéia, em Buenos Aires. Este último foi colocado várias vezes como exemplo pelo papa Francisco: tem 96 anos, vive praticamente no confessionário desde que se aposentou em 2007 e é o capuchinho que o papa mencionou em muitas ocasiões. Disse que Dri sempre teve o escrúpulo de ter “perdoado demais”. 
A misericórdia é um tema central neste consistório: após a carta ao novo prefeito do dicastério para a Doutrina da Fé, o arcebispo Víctor Manuel Fernández, na qual sublinhou que “qualquer concepção teológica que questione a onipotência de Deus e especialmente a sua misericórdia” é insuficiente, o papa agora nomeia cardeal a um capuchinho que tornou esta expressão concreta.
Em última análise, este consistório será mais parte do legado do papa Francisco do que qualquer um dos outros nove consistórios que o papa realizou durante seu pontificado.
 
Confira também: