Sacerdote argentino considera reação presidencial como sinal de vigência do Evangelho