Presidente da FIAMC: Os médicos são os "dedos de Deus", não da morte