Políticas mundiais sobre sexualidade respondem a grupos de pressão e não ao senso comum