Na Síria, nem sequer os mortos podem “descansar em paz”

Cemitério greco-ortodoxo em Aleppo. Foto: ACN