Denunciam que despenalização do aborto é “prioridade ideológica” não sanitária