Depois da parada gay

Cardeal Scherer: a Igreja não é homofóbica