Bispo colombiano recordou a organização guerrilheira que os acordos devem ser “totalmente humanitários”