Depois da JMJ, Vargas Llosa admite que o ocidente precisa do catolicismo